Saúde Mental

Nesta entrevista a Psicóloga  Marina Gomes responde a algumas dúvidas sobre Saude Mental tais como:

O que é Saúde Mental?
O que é ter um transtorno mental?
Qual a diferença entre saude mental e transtorno mental?

http://br.youtube.com/watch?v=PwRbI9som9c

É psicóloga e psicanalista,e trabalha ai com pessoas que tem problemas mentais, também vamos falar sobre saúde mental hoje. Não e verdade, o que e saúde mental explica pra gente no geral ai, pra gente ter uma noção do que e o seu trabalho e o que e ter um problema, um transtorno mental.

Então a saúde mental, quando a pessoa apresenta um tipo de transtorno ela mostra na sua maneira  de se conduzir na vida, um certo sofrimento psíquico, são pessoa que normalmente que em relação com a sua relação com o outro,apresenta confusão mental, dificuldade em ter um contato com a realidade,são pessoa que pouco conseguem ter um equilíbrio no seu sentimento, ou eles passam a ter um sentimento exagerado por certas coisas ou  total apatia na relação dessa pessoa com o outro ne. Em alguns casos mais graves, apresenta certos traços de delírios, alucinações e uma grande dificuldade de poder se haver com o contesto da realidade.

Certo, como e que você define uma pessoa com saúde mental de uma pessoa com transtorno mental, pra gente poder definir um pouquinho e o pessoal de casa tem uma leve desconfiança que alguém, pode vir a ter na sua família um transtorno mental mais não tem essa certeza. Quais são esses momentos em que a pessoa começa a dar esses sinais, de que pode haver algo de errado?

Então, quando a pessoa as vezes apresenta um grande isolamento,ou a pessoa entra num estado de mania, em que você vê que a relação com outras pessoas estão exageradas, ele começam a ter atitudes muito extremas,então se nos pudermos pensar por exemplo na área dos adolescentes que hoje nos momentos mais críticos, em que a sociedade acaba se deparando, aonde você vai observando certas condutas muito no nível de uma posição radical,extrema, o sujeito não consegue fazer uma balisa entre o que e do bom sendo, o que caracteriza um responsabilidade,o que caracteriza algo que não prejudica a si mesmo e ao outro. E os casos mais graves  a pessoa corre risco de vida, ela se coloca em risco,e coloca em risco a vida de outros. Então nesse sentido se nos pudermos estar pensando, quais os pontos de balisa que nos teríamos que  ter, seria de observar esses níveis de exageros e dês compromisso com seus atos.

Certo Marina. Agora como que a família pode agir nesse momento,descobrindo que existe algum transtorno com algum dos seus familiares ou de repente com algum familiar ai, qual a ação da família nesses momentos, que dicas você pode dar pra que essa pessoa de repente pra que o que a gente vê hoje,muito inclusive, são pessoas  que tem problemas mentais internadas em clinicas particulares, que a família simplesmente,abandona de um modo geral, vai visitar uma vez por mês, e isso e complicado pois por mais que essa pessoa tenha esse transtorno, ela sente a falta da sua família , do convívio.

Então  a posição da família ela e fundamental, ta implicada no processo de recuperação  do paciente né, e das vezes  a família também adoece, tanto quanto o paciente pois o próprio ambiente ta de alguma forma contaminado, com essa doença que se estabelece nas relações, então a família também precisa de ajuda, em alguns lugares que você cita lugares particulares, ou mesmo nos lugares públicos a um descaso um abandono a tentativa de que cuidem, porque não e mais possível que eu possa dar conta, se nos tomarmos uma medida com a família  a nível de cobrança critica a tendência da família e aumentar mais ainda o distanciamento, e afastar mais ainda da relação o que nos pensamos de que a família também precisa de um espaço de escuta, um espaço do qual eles possam colocar as questões que são difíceis pra cada um na sua subjetividade, pra que a partir daí aa direções terapêuticas possam contemplar alem do paciente, contemplar a dinâmica dos familiares, para que eles consigam também se restabelecer e retomar uma condição saudável na relação com o doente mental.

E o que você indica hoje os tratamentos, o que existe de tratamento no mercado, na área tecnológica,  que se seja menos invasivo ai a quem tem o transtorno mental.

Então Carla, essa hoje e uma pergunta fundamental pra todos nos que estamos atuando no sistema, o que se percebe que hoje na atualidade se busca muito mais somente através da medicação ela e fundamental, ela tema  sua ajuda desde que ela e indica por um psiquiatra,ou por um neurologista pessoas capacitadas pra lidar com essa medicação, e isso e possível com ajuda técnica mais que não se restringe unicamente na medicação, porque alem da medicação e preciso os espaços terapêuticos, porque se trabalhar a relação trabalhar a posição do sujeito na vida não da pra se restringir unicamente a pessoa ta sofrendo uma depressão a pessoa vai tomar um remédio pra depressão, supondo que ali ele vai curar os seus problemas, então a medicação e um apoio, um dispositivo usado num tratamento,mas não se deve se restringir unicamente nessa ordem, pois ao invés de propiciar uma saúde, o nível de doença e patologia se agrava, se não houver um tratamento terapêutico em conjunto.

Agora que dica você da pra quem nos assiste, algumas dicas ai de como, também informar  a gente o que mais gera os transtornos mais conhecidos, e como e que a gente pode de repente se organizar mentalmente pra que a  gente não seja atingido de uma maneira brusca,pelo poderes do dia a dia.

Olha o que eu tenho pensado,que hoje em dia existe muito modismo ne, quando as pessoas por exemplo então crianças muitas vezes diagnosticadas por hiper atividade sem terem passadas por uma avaliação técnica competente, adultos com quadros de depressão ou traços depressivos se alto medicando de um maneira muito grave, e agravando cada vez mais a possibilidade de uma recuperação,então a dica que eu posso ta contribuindo de que se possa abrir espaços pra palavra comunicação, o doente mental ele precisa de ajuda e ele precisa falar aquilo que ele ta sofrendo, que somente a partir da palavra daquilo que ele vai nos orientando do que ele precisa e com uma equipe que pode cuidar da medicação, que pode abrir um espaço de tratamento essa pessoa que esta nesse momento com sofrimento psíquico ela também pode se organizar se recuperar e buscar um outro meio de laço com a sociedade de uma maneira muito mais produtiva.